Um dos principais objetivos de quem se propõe ao consumo consciente é aderir a um estilo de vida com maior integridade e conexão. Para te ajudar na missão de incorporar o lifestyle slow fashion à sua vida, hoje iremos destacar 5 características que você precisa levar em consideração quando o assunto for moda.

5 atitudes para incorporar o lifestyle consciente

1. Saiba a procedência da suas roupas

Essa é a primeira e mais óbvias das atitudes para quem quer adotar um estilo fashionista mais consciente. Não saber a procedência das suas roupas pode dar brecha para que você se torne, sem querer, cúmplice do trabalho escravo moderno.

A indústria da moda é uma das maiores envolvidas nesse tipo de exploração – caracterizada pelas condições degradantes e jornadas exaustivas. Muitas vezes, os consumidores levam em conta o baixo preço de uma peça, sem prestar atenção na sua procedência, mas essa atitude só contribui para acentuar as desigualdades sociais e aumentar a exploração dos mais vulneráveis.

2. Fuja de modismos

Bom, agora que já sabemos o quão importante é conhecer a origem das roupas que você compra, vamos destacar outra bandeira fundamental do movimento slow fashion: a preocupação com a permanência. Ou seja, não se render a coleções perecíveis que não vão resistir a próxima estação.

Se a ideia é justamente se conectar – não só com a sociedade na qual você está inserida, mas também com a natureza – não faz sentido nenhum comprar roupas freneticamente, para descarta-las na próxima estação.

Isso explica o esforço da cadeia de produção slow fashion em trabalhar com tecidos com qualidade superior, cores neutras e modelagem atemporal. A proposta é que sua roupa dure por muito tempo e que, mesmo assim, você continue na moda, elegante e fiel ao seu estilo.

3. Reflita antes da compra (não consuma por impulso)

Para esse tópico vou utilizar um dos conceitos do momento: o autoconhecimento. Se conhecer, saber seus limites e suas preferencias é uma prática que tem o poder de te fortalecer com indivíduo.

Muitas vezes somos influenciados por determinado artista, pela amiga popular ou pela youtuber famosa a consumir um tipo de estilo. Mas você já se perguntou se ele combina com você ou se você se sente à vontade para assumir essa persona? Sim, porque vestir um estilo é também enviar uma mensagem ao mundo.

A partir do momento em que nos conhecemos melhor, passamos a priorizar o que realmente importa e, dessa forma, temos o poder de elevar nossa autoestima e de nos sentirmos mais confortáveis em nossa própria pele.

4. Customize

Cansou daquela blusa que foi seu xodó por anos? Que tal customiza-la para que se torna uma roupa completamente diferente? E eu te garanto, você não precisa ser uma fera com trabalhos manuais para conseguir um bom resultado.

Uma dica é lembrar dos tempos de adolescente – quando a gente adorava inventar moda com as nossas roupas – e usar a criatividade para cortar, costurar, amarrar, tingir, prender lantejoulas e tudo o mais que te der na telha. Se ainda assim você ficar insegura, no youtube há vários canais que ensinam, de forma prática e fácil, a dar um up naquela roupa de estimação.

5. Doe

Mas se customizar não for pra você, ou se o tempo de vida daquela peça na sua mão já deu o que tinha que dar, que tal doar para quem precisa?

O desapego é uma das principais atitudes para os adeptos do movimento slow fashion, pois é uma demonstração de carinho com o outro e um caminho para a renovação – não só do guarda-roupas mas de energia também. Como pregam algumas filosofias orientais, vamos deixar fluir para dar espaço para o novo.

E pra você? Qual ou quais fundamentos do consumo consciente você leva em conta antes de comprar suas roupas? Deixe sua opinião nos comentários. Vamos adorar saber!

 

Por Camila Marinho Monteiro